Página inicial

 Página inicial

 Álbum de Fotos

 Agapornis

 Calopsitas

 Papagaios

 Cuidados gerais

 Cortando asas e unhas

 Devo ter um pássaro?

 Direitos dos animais

 Plantas para pássaros

 Ecologia

 Mapa do site

 Histórias reais

 Aves no Antigo Egito

 Aves e a arte

 Aves de São Paulo

 Nossos mascotes

 Campanhas/Banners

 Links

 Nossos Artigos

 Matérias

 Ser Vegetariano

 Proteção Animal

 Escreva-nos!

Criando Papagaios, Calopsitas e Agapornis.

 

A  INGRATIDÃO A LA CARTE 

Os possuidores de cultura cosmopolita tem conhecimento que a vida humana nos desertos do Oriente Médio é uma dádiva do camelo, o Camelus Dromedarius, aquele que possui apenas uma corcova e surge com uma facilidade espantosa nas fotos de turistas que visitam a região.

Trata-se de uma confirmação inegável de que alguma força superior de natureza foi de um capricho extremo na execução do “projeto” que culminou com a existência dessa espécie que chega a caminhar 150 quilômetros numa jornada diária transportando quase 200 kg.

Outros detalhes enriqueceriam a cultura enciclopédica do leitor, porém, não é esse o objetivo desta mensagem. A inexistência da gratidão humana é o foco central a ser comentado nessa atuação do homem que prima pelo usofruto extremo desses irmãos irracionais na sua capacidade de transporte e ultrapassando os limites da racionalidade, inclui a carne de camelos jovens em cardápios de  restaurantes de países árabes. Resumindo: come o provedor da dádiva. 

Alimentos como a manteiga e o queijo derivados do leite da fêmea são  insuficientes quando hábitos alimentares predatórios são transmitidos de geração para geração através de uma cultura milenar. O sofrimento no período “pré-abate” e o grito pungente no momento extremo da morte violenta parecem ser convenientemente esquecidos na hora em que temperos especiais são os grandes companheiros do homem armado com talheres no ato final  e consumado da crueldade ingrata. O restaurante é o palco com cenário atrativo para ocultar da platéia o processo sanguinário que levou o alimento até o prato. 

Humanos dotados de uma espiritualidade mais elevada já perceberam que o comentário sobre o camelo é apenas uma menção necessária  para gerar o raciocínio de que a cultura de consumo da proteína animal é extraordinariamente motivado pela ausência de exemplos com origem nas celebridades. Exatamente aqueles que seriam a ferramentas nobres para reparar milênios de crueldade. 

O Sumo Pontífice que nos visitou recentemente escapou de um churrasco na Granja do Torto. Algo difícil de ocorrer para um Chefe de Estado (Vaticano) se considerarmos que nem George Bush se safou dessa “iguaria” na penúltima visita quando incluiu Brasília no seu programa, porém, infelizmente,  o cardápio do Papa no Mosteiro de São Bento incluiu uma carne de vitela, o novilho com menos de um ano de idade criado nos moldes ideais para satisfazer a bestialidade “gourmeteana” (gourmet+humana) de quem o come. 

Essa inclusão merece uma reflexão, pois surgiu com a necessária aprovação prévia da assessoria papal que participou de forma impositiva na preparação da visita. Talvez a nacionalidade alemã do Papa, nascido num país que idolatra o joelho de porco na culinária, explique  essa preferência carnívora. 

Triste é concluir que não somente explica como ratifica o argumento de que a ausência de um exemplo é o incentivo maior à barbárie injusta na cadeia alimentar imposta pelos humanos de forma racional e abrangência tragicamente universal. Nesse contexto, só faltava a ingratidão que juntamente com a crueldade e a insensibilidade formam uma trilogia assassina. 

Omar Manzanares

Assessoria de Imprensa para o Mundo Animal   (Maio/2007)

 

Seres humanos que protegem nossos irmãos irracionais da crueldade, são a extensão divina do sopro do Criador que lhes deu vida.

Argumentos Inválidos sobre Touradas e a Verdade sobre elas.

A tourada é um componente de uma cultura, uma tradição milenar. Representa o último vestígio de culturas antiquissímas não-ocidentais. Querer excomungá-la demonstra desprezo por este elemento não-ocidental no seio da cultura espanhola.

Todas as culturas ocidentais ou não ocidentais contêm tradições construtivas e destrutivas. A antiguidade duma tradição não pode servir para a justificar moralmente.


Um touro é tratado muito melhor até entrar na arena que um boi que foi criado pela bio-indústria apenas para produção de carne.

Não é verdade e não é um argumento válido porque, por existirem condições ainda mais cruéis não  torna esta menos cruel.


Uma tourada é uma prova de veneração e uma homenagem à força do animal.

Veneração e homenagens não são prestadas ou mostradas por meio de torturas.


Uma tourada não é para ser vista como um desporto, mas como uma síntese de arte, dança, e dizem os aficionados, virilidade extrema.

Argumentação ridícula, não faz com que a sua crueldade seja menos monstruosa.


Uma tourada permite uma saudável descarga coletiva de sentimentos negativos e de agressividades.

Existem alternativas inofensivas (por exemplo os esportes) para a tal descarga de energia, e que não implicam em sofrimento para os animais.


As touradas têm uma dimensão religiosa, representando a luta do bem e do mal, sendo os touros os representantes do mal.

Desde quando animais representam o mal? Ao contrário, quem representa e faz o mal são os humanos!


Deus criou os touros para lutarem na praça de touros com o toureiro e assim morrerem.

Demonstra muita pretensão  falar em nome de Deus sobre a finalidade dos animais.


Os touros bravos são apenas criados pelas suas qualidades de luta. A abolição das touradas significaria a perda definitiva duma espécie animal com características únicas.

Os animais não ganham nada com este argumento idiota, já que sofrem severamente por pertencerem a esta raça.


As touradas são apresentadas com o termo "Festa Nacional"  porque representam a essência da Espanha. As ações contra as touradas são certamente resultante de sentimentos anti-Espanhóis.

É completamente absurdo identificar a Espanha com uma tradição específica. Um número crescente de Espanhóis opõe-se às touradas e portanto não se podem considerar identificados à ela. Pode-se até afirmar o contrário: Quem realmente gosta da Espanha, anseia que esta "Vergonha Nacional" seja totalmente abolida.


As touradas são um componente importante da indústria turística Espanhola.

Muitos turistas visitam as touradas apenas por curiosidade, porém saem dela muito deprimidos. O resultado final é um de publicidade negativa em relação a Espanha.


                                                                                                                                                                                                                         

             


                                        BIRDMANIA 1999-2008 - birdmania@uol.com.br