Página inicial

 Página inicial

 Álbum de Fotos

 Agapornis

 Calopsitas

 Papagaios

 Cuidados gerais

 Cortando asas e unhas

 Devo ter um pássaro?

 Direitos dos animais

 Plantas para pássaros

 Ecologia

 Mapa do site

 Histórias reais

 Aves no Antigo Egito

 Aves e a arte

 Aves de São Paulo

 Nossos mascotes

 Campanhas/Banners

 Links

 Nossos Artigos

 Matérias

 Ser Vegetariano

 Proteção Animal

 Escreva-nos!

Criando Papagaios, Calopsitas e Agapornis.

                              Ecologia

Só compre com o anel do IBAMA!

                             Gaviões na Penha (SP)

Primavera, época de reprodução e o que encontramos dentro da Subprefeitura da Penha? Um ninho de Gaviões-Carijó com dois filhotes. Não foi verificada a existência do parceiro, provavelmente já tendo sido atacado pelos "humanos" que ainda acham que um gavião é prejudicial, que matam passarinhos "bons", e fazem calar os curiós. Pura crendice, pois eles ajudam a controlar a reprodução indiscriminada de ratos e camundongos. Eventualmente capturam alguns pardais e pombos mais fracos fazendo assim a  "seleção natural" .

Pena que as fortíssimas linhas com cerol e "rabiolas de pipa" façam parte do ninho... Fato que ainda pode ferir gravemente ou até matar os pássaros em especial os filhotes em seus primeiros vôos. No Viveiro Manequinho Lopes do Ibirapuera (SP) muitas aves são tratadas de mutilações e sérios danos causados pelas linhas com cerol que se enroscam nos galhos das árvores.

A subprefeitura da Penha no sentido de proteger a pequena prole emitiu um memorando aos funcionários alertando sobre a existência do ninho, bem como instruções de como se precaver contra qualquer tipo de "ataque" (na realidade, defesa) dos Gaviões, alertando sobre o crime ambiental  inafiançável que seria qualquer agressão aos mesmos. Parabéns aos administradores da Subprefeitura da Penha pela iniciativa de defender a nossa fauna!

                                  

                      Gavião-carijó (Rupornis magnirostris) 

Caracterização - Mede 36 cm. Asas compridas e largas de "pontas abertas" tal como nos urubus, cauda curta, conjunto apropriado para planar em espaços abertos. Os sexos quase sempre se assemelham quanto ao colorido. Macho e fêmea distinguem-se geralmente pelo tamanho, sendo a fêmea maior.

Habitat -Aparecem até em áreas  campestres desprovidas de qualquer arborização.

Distribuição - Ocorrem do México à Argentina e em todo o Brasil.

Hábitos - Voa no aberto, aos casais, batendo rapidamente as asas e descrevendo círculos chamando a atenção pela característica gritaria que produzem.

Alimentação - Caça grandes insetos, lagartixas, pequenas cobras e pequenos pássaros tais como rolinhas e pardais; apanha morcegos em seus pousos diurnos.

Reprodução - As fêmeas apresentam os dois ovários desenvolvidos em vez de apenas o esquerdo como nas outras aves. Os ovos são geralmente manchados, de cor muito variável, até dentro de uma mesma postura.

Inimigos - A grande ameaça é a destruição ambiental e caça indiscriminada.

Preservação - As aves de rapina tem um papel indispensável no equilíbrio da fauna como reguladores da seleção. Evitam uma superpopulação de roedores e aves pequenas (como é o caso dos ratos e pombos nos centros urbanos) além de eliminar indivíduos defeituosos e doentes.

Foto do filhote no ninho

 


                                                                                                                    [ voltar ]

             



                                      BIRDMANIA 1999-2008 - birdmania@uol.com.br