Página inicial

 Página inicial

 Álbum de Fotos

 Agapornis

 Calopsitas

 Papagaios

 Cuidados gerais

 Cortando asas e unhas

 Devo ter um pássaro?

 Direitos dos animais

 Plantas para pássaros

 Ecologia

 Mapa do site

 Histórias reais

 Aves no Antigo Egito

 Aves e a arte

 Aves de São Paulo

 Nossos mascotes

 Campanhas/Banners

 Links

 Nossos Artigos

 Matérias

 Ser Vegetariano

 Proteção Animal

 Escreva-nos!

Criando Papagaios, Calopsitas e Agapornis.

   


Como os pássaros entraram em minha vida:


Foi totalmente por acaso os pássaros entraram em minha vida...

Há alguns anos atrás, recebi um telefonema de meu pai quando eu estava trabalhando, dizendo: "Hei! Há um pássaro voando na sala, o que você acha que eu devo fazer?"

Como ecologista, minha primeira resposta foi: "Abra todas as janelas e deixe-o ir embora!", mas, após poucos segundos, pensei que talvez fosse melhor ver se ele estava apto à voltar para a natureza.

Então, eu telefonei para a veterinária que cuida de minha cachorrinha Meg (adotada das ruas, suja e muito doente) para pedir seus conselhos. Após algumas perguntas rápidas sobre o pássaro, ela concluiu que se tratava de um Canário Belga macho e que ele não seria capaz de sobreviver sozinho, especialmente numa cidade tão hostil como São Paulo!

Suas palavras conclusivas foram: "Ame-o ou dê este pássaro para alguém que você confia. Ele é um presente dos Céus para você!".
Bem, após estas palavras eu decidi cuidar dele da melhor maneira possível.
Seu nome é Barry, ele canta lindamente, tornando minhas manhãs mais felizes desde então!

Historia de um Bem-te-vi maltratado

Certo dia, minha vizinha e querida amiga Carla me ligou dizendo que havia um passarinho lindo com comportamento muito esquisito e que a pessoa que o possuía iria dá-lo, vende-lo ou soltá-lo. Eu pedi que o trouxesse para minha casa para que eu pudesse ver melhor o que estava acontecendo. 

Assim que o vi, soube que se tratava de um Bem-te-vi absolutamente desnutrido, quase morrendo (as pessoas que o capturaram davam macarrão cozido para ele, que ele pensava ser algum tipo de larva). Pedi para ficar com ele, e a primeira atitude foi alimentá-lo com Tenébrios (Tenebrio Molitor um tipo de larva). Ele comeu vorazmente e aos poucos fui introduzindo uma alimentação apropriada para sua espécie e ao longo dos meses, ele foi se recuperando, quando vi que ele estava se recuperando, notei que sua asa estava quebrada e que seu retorno à natureza seria algo impossível. 

Então comprei um enorme viveiro e o adotei como meu novo bichinho de estimação. Ele se recuperou, ficou forte, gordinho e extremamente manso, o que é algo muito raro. Hoje ele é visitado por seus companheiros livres, vive bem alimentado e confortavelmente instalado em seu enorme viveiro.

A adoção de um filhote de Pardal abandonado 

Certo dia, andando pelo quintal ouvi um barulhinho diferente e algo se moveu, fiquei assustada mas fui verificar o que era. Era um filhotinho de pardal tão pequeno que era incapaz de sobreviver sozinho, tentei achar seu ninho, mas, não tinha a mínima idéia onde poderia estar.

Então, levei-o para dentro de casa e tentei fazer uma mistura de alimentos que mais se aproximasse da dieta de um pardal na natureza. Usei uma seringa e comecei a alimentá-lo, para minha surpresa, depois de algumas tentativas fracassadas, ele aceitou a alimentação! Em poucos dias ele começou a crescer e me reconhecer como sua "mãe". Foi maravilhoso vê-lo crescer e ficar adulto. 

Ele sobreviveu e viveu comigo por 9 anos. Para mim foi uma vitória e uma alegria ter conseguido fazer algo para uma criaturinha que todos ignoram. Ele viveu manso, feliz e saudável por toda sua vida. 

ELE VAI SER A SUA MELHOR COMPANHIA!    


[ subir ]


[ voltar ]

             



BIRDMANIA 1999-2008 - birdmania@uol.com.br